segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O Chamado de Jeremias e Suas Aplicações

Apresentação

    Toda saga tem um início. Toda biografia feita relata primeiramente as etapas iniciais da pessoa a qual esta é feita. Nas Escrituras, não é diferente na maioria dos casos. Deus usa pessoas para serem usadas como instrumento de proclamação de sua palavra, e algumas delas Ele dá a oportunidade de saber como estas receberam o chamado divino em suas vidas. Jeremias é um exemplo claro deste privilégio.
    Cada chamado visto nas Escrituras tem características comuns. Porém, alguns trazem aspectos particulares, pois, afinal cada pessoa é cada pessoa. Nesta mensagem procurarei expor sobre o chamado de Jeremias e quais lições este episódio nos traz para que apliquemos na vida da Igreja. Primeiramente, darei um panorama sobre o contexto histórico, político e social ao qual o profeta estava envolvido. Depois, vou expor através da seguinte pergunta: O que nos ensina o chamado de Jeremias? Ao final, recapitularei cada um destes pontos colocando perguntas para a reflexão de todo o povo de Deus.
    Como disse Carlos Roberto do Rosário, “a tarefa do pregador é expor de forma fiel e simples os ensinamentos das Sagradas Escrituras para o esclarecimento da igreja”. Espero cumprir tal missão através desta mensagem e ser instrumento de Deus para gerar vida e corroborar para que a igreja seja um lugar de geração de vida.

Introdução

    Conforme nos mostra o versículo 1, Jeremias é filho de Hilquias, sacerdote, que vivia em Anatote, tribo de Benjamin. Provavelmente era um jovem que não tinha iniciado seu sacerdócio. Portanto, ainda não tinha os 30 anos – idade inicial para começar exercer a função.
    A época do ministério de Jeremias se dá no reinado dos reis Josias, Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias. O primeiro é marcado pela reforma religiosa, que procura tirar o povo de Judá da idolatria, colocando-o de volta a palavra de Deus. Tentando ir contra Faraó-Neco, acabou morrendo em batalha na região do Megido (2 Reis 23. 28-30). Seu filho Jeoacaz (ou Salum) reina três meses somente e é deposto pelo mesmo Faraó, que coloca outro filho de Josias – Jeoaquim para reinar. Neste período a babilônia finalmente vence os egípcios e assim, começa a opressão dos Babilônios a Judá. Jeoaquim reina onze anos e, no lugar dele reinou seu filho Joaquim, por apenas três meses também. Nabucodonosor, rei da Babilônia, coloca Zedequias, tio de Joaquim para reinar e leva cativa as riquezas e a nobreza de Jerusalém. Após um período, Zedequias se rebela do controle babilônico e é punido por causa disso, bem como toda Judá. Neste reinado, ocorre a destruição do templo por Nabucodonosor, e o cativeiro de mais pessoas de Jerusalém. Ficaram as mais pobres e as que viviam no campo. Jeremias estava entre elas.
    Em todos estes reinos supracitados Jeremias estava denunciando todo o tempo o mal que o rei, os nobres e todo o povo havia feito contra Deus. Além disso, colocava como certo o cativeiro de Judá o que irritava as lideranças políticas do reino. Por isso foi diversas vezes perseguido, ignorado por sua família e amigos, e, desta forma, marcado por ser um homem solitário.
    Mas, afinal, o que faz um homem ir contra tudo e todos para falar coisas que ninguém vai ouvir, e pelo contrário, vão fazer com ele seja oprimido por aqueles que a ouvirem? Não seria melhor estar em oração intercedendo pelo povo? Não haveria outra forma? É por isso que é importante olharmos para o chamado de Jeremias para entendermos a essência do seu ministério e, desta forma, entendermos o nosso. Sim, afinal, todo o cristão, é membro do corpo e, assim, busca exercer sua função no reino. Daí também procurarmos aplicar as lições do chamado de Jeremias em nossas vidas.
    Portanto, observando o chamado de Jeremias podemos entender que:

I.    É O SENHOR QUEM CHAMA

    Deus chama seus servos de forma soberana e em amor. Observemos as palavras dos versículos 4 e 5: a mim me veio, eu te formasse,  te conheci, te consagrei e te constitui. Percebe-se que em todos os momentos é Deus que busca Jeremias, e não o contrário. Analisemos cada uma das expressões:
•    Te conheci/Te formasse: o sentido de conhecer é de uma escolha não baseada em méritos, mas na vontade soberana de Deus e no amor que ele tem para com Jeremias e com todo o povo (Gl. 1.15). Somente após isso ele o forma.
•    Te consagrei: a escolha tem um propósito, uma missão. Por isso, aquele que foi escolhido tem um propósito.
•    Te constituí: o ato final. Deus sacramenta o ministério lhe dizendo o que ele será.
    Observamos, então, que Deus escolhe seus servos. Assim como escolheu Abraão, Moisés, Josué, Davi, Paulo e outros ele escolhe Jeremias. Mas por que não o contrário? O próprio Jeremias responde no versículo 6: ele acredita não ter capacidade para cumprir o que Deus pede. Na verdade, nenhum ser humano é por si só apto a cumprir o que Deus pede pro seus próprios méritos, como também não pode se achegar a Deus por si mesmo. Por isso, ocorreu a eleição da graça de escolher cada um de nós como filhos do seu Amor. E com Jeremias, não é diferente. Isso nos leva ao segundo ponto.

II.    É O SENHOR QUEM CAPACITA

    Jeremias alega que não poder cumprir o mandado do Senhor por não saber falar e por não passar de uma criança. Talvez isso esteja relacionado ao fato de ser muito jovem e inexperiente. Mas Deus não aceita tal argumento e diz: Eis que ponho na tua boca as minhas palavras. (versículo 9). Tudo o que Jeremias precisa fazer é falar o que Deus colocou pra ele falar a quem ele quiser e aonde ele quiser.
    Portanto, isto nos mostra que Deus além de nos escolher e nos colocar com um propósito nos dá o instrumento necessário para cumprir tal propósito. Podemos ver no Novo Testamento, que Deus capacita a sua igreja através dos dons espirituais. Este quem dá é o Espírito Santo, como havia prometido em Atos 1.8. Por isso, a igreja não precisa hesitar, visto que ela é a escolhida de Deus, logo, ele vai lhe dá a capacitação para que ela cumpra sua missão na terra.

III.    É O SENHOR QUEM PROVÊ

    Este ponto está muito relacionado com o anterior. Ora se Deus capacita, ele também irá prover em cada momento da empreitada, e isso é mostrado claramente no versículo 8: ... Eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor. Jeremias irá ao lugar que Deus mandar, e falará o que Deus ordenar (versículo sete). Após essa repreensão, o Senhor manda essa palavra de coragem.
    No versículo encontra-se a mensagem final do chamado do profeta: Olha que hoje te constituo sobre as nações e sobre reinos, para arrancares e derribares, para destruíres e arruinares, e também para edificares e para plantares (v. 10). Estas analogias estão relacionadas ao conteúdo da mensagem de Jeremias, a qual será de destruição, mas também de restauração. Concluí-se que Deus estará a todo o momento com Jeremias, sejam eles quais forem.
    Cristo também dá essa promessa à igreja: “E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século.” (Mt. 28.20b). Em nosso ministério como cristãos, somos ordenados a fazer a obra de Deus com a certeza de Cristo sempre estará conosco através do Consolador – o Espírito Santo. Essa é a mensagem de encorajamento que Deus dá a seu povo na nova aliança.

Conclusão

    Diante desse momento, qual era a escolha que Jeremias deveria tomar? Ela se resumia a uma palavra: OBEDIÊNCIA. O profeta, diante do seu chamado não tinha alternativa a não ser essa. E foi o que fez. Desta forma, cumpriu um dos mais duros ministérios que alguém já cumpriu. Durante toda a sua vida não viu sequer um arrependido, um coração contrito. Provocou, gritou, andou nu, foi preso e perseguido. Suas palavras foram escritas, mas foram queimadas e teve que as reescrever novamente.
    Jeremias foi conhecido como o profeta chorão, mas pra agüentar o que agüentou ele foi um homem muito firme. Não tenhamos dúvidas de que ele reclamou demais, mas e nós não reclamamos também? Assim, como por diversas vezes se entristeceu por causa da assolação espiritual e física a qual vivia Judá, também nós não ficamos desanimados com os momentos pelos quais nossa igreja vive? É por isso que precisamos olhar de volta para estas verdades afirmadas nesta mensagem, as quais são muitos simples, mas também muito verdadeiras.
    Sabendo que Deus nos escolhe, capacita e provê, então temos que continuar em nossa missão por mais doída que seja. Diferente da mensagem de destruição e restauração dada por Jeremias, à igreja trás a palavra de vida do evangelho aos perdidos. Entretanto, as perseguições e conseqüências por trazer esta palavra continuam e com muita hostilidade em muitos lugares.
    Jeremias tinha a convicção de que o problema do estado em que se encontrava Judá era principalmente das pessoas que detinham o poder no reino. Mas não só eles, como também todo o povo havia se esquecido de quem era o Senhor. Às vezes, tentamos achar uma série de fatores ou mesmos culpados para que a situação da igreja estar em sua situação desagradável. Mas se o corpo está assim, então o problema está nele e cabe a ele buscar as soluções certas e de forma conjunta para que sua enfermidade seja sarada. Logicamente as lideranças da igreja levam grande parte da responsabilidade por sua atribuição de pastorear o rebanho, porém, não total culpa.

Aplicação

    Que possamos nos lembrar de Quem Deus é e de sua obra em nossas vidas. É ele quem nos escolhe, capacita e provê. Nossa missão é de Obedecer este chamado nos submetendo a vontade Dele. Os momentos de desanimo virão e serão muitos, mas o Senhor sempre estará conosco, pois Ele nos prometeu isso.

Um comentário:

  1. amém irmão, que assim seja, que deixemos Deus transformar e guiar nossas vidas, que obedeçamos ao seu chamado.

    ResponderExcluir